Vai fazer um crédito à habitação? Tome nota ao indexante

Como a escolha do indexante impacta o crédito à habitação?

Na hora de solicitar várias propostas para um empréstimo à habitação é importante ponderar diversos fatores, entre eles, o indexante escolhido. Descubra porquê.

Desde o início de agosto a taxa Euribor a três meses quadruplicou de valor, negociando acima da fasquia de 1%. Já o indexante a seis meses mais do que duplicou de valor e o mesmo aconteceu com o desempenho da Euribor a 12 meses (tendo já superado a barreira dos 2%). A justificar os fortes aumentos estão as decisões tomadas recentemente pelo Banco Central Europeu com o objetivo de travar a inflação. E a perspetiva de que novas subidas de juros deverão ser concretizadas nos próximos meses, está a levar as taxas Euribor a fortes valorizações.


Perante o atual cenário de rápidas transformações, eis alguns aspetos que os clientes bancários deverão ter em conta:

  • Ao comparar diversas simulações, tome nota ao indexante proposto pelo banco e compare propostas com o mesmo indexante. Até ao início deste ano, o indexante mais comum proposto pelas instituições financeiras para a contratação dos créditos à habitação era a Euribor a 12 meses. Mas esta realidade está a mudar. Vários bancos estão a propor aos clientes bancários empréstimos indexados à Euribor a três meses, como forma de baixar a TAN e apresentar ao cliente uma prestação mensal mais competitiva. Vamos às contas:

Crédito à habitação a realizar em setembro, com um montante de financiamento de 250 mil euros, a pagar em 30 anos e um spread de 1%.

Valor da prestação mensal:

  • Euribor a três meses: 850,26 euros
  • Euribor a seis meses: 903,80 euros
  • Euribor a 12 meses: 955,49 euros
Nestes cálculoss foi tida em conta a média mensal de agosto da Euribor a três meses (0,395%), Euribor a 6 meses (0,837%) e da Euribor a 12 meses (1,249%)

No entanto, não se esqueça de que ao optar por um crédito com uma taxa Euribor a três meses, a sua prestação mensal é revista trimestralmente, estando assim mais exposta às subidas que a Euribor possa vir a registar nos próximos meses.

Por essa razão, quando estiver a comparar diversas propostas de crédito não faça a escolha com base no valor da prestação mensal. Tenha em atenção o indexante proposto pelo banco e utilize o Montante Total Imputado ao Consumidor (MTIC) e a Taxa Anual de Encargos Efetiva Global (TAEG) para comparar as diversas propostas de crédito.

  • Se possível, escolha o indexante com o qual se sente mais confortável. Os indexantes de mais curto prazo apresentam valores mais baixos, no entanto, são os primeiros a sentir o impacto das oscilações do mercado. Já os prazos mais longos (12 meses), apesar de terem valores mais elevados, dão a garantia ao cliente bancário de que os encargos com o crédito à habitação se mantêm estáveis durante um período mais alargado.
  • Seja rápido a tomar decisões. O mercado interbancário está a registar fortes movimentações, num período temporal muito curto. Isto significa que fazer um crédito à habitação hoje ou adiar a decisão por mais um ou dois meses pode representar um acréscimo de dezenas de euros no valor da prestação mensal.

Se não tem tempo para visitar os bancos e analisar as propostas, a Twinkloo faz esse trabalho por si. Faça uma simulação aqui.

LIGUEM-ME
GRÁTIS