Existe uma idade máxima para o Crédito Habitação?

A idade é um dos fatores considerados ao pedir um crédito e tem um limite

O aumento do preço das casas e a dificuldade em garantir estabilidade financeira leva, naturalmente, as pessoas a comprarem habitação própria cada vez mais tarde. Afinal, existem diversos custos associados e condições que é preciso considerar antes de comprar casa e de pedir um Crédito Habitação. No entanto, isto leva à preocupação de haver uma idade máxima para o Crédito Habitação. Será que estar perto dos 40 anos é considerado tarde demais? E de que forma pode a idade afetar os valores?

Qual é o prazo ou a idade máxima para o Crédito Habitação?

Antes de mais, existem dois fatores a ter em consideração: a idade e o prazo. Embora ambos tenham um limite, um pode influenciar o outro.

Prazos

Por um lado, temos o prazo máximo ou a maturidade do empréstimo, definida pelo Banco de Portugal. Ou seja, durante quanto tempo pode liquidar o Crédito Habitação. Geralmente, as entidades financeiras colocam como limite de duração 40 anos. O cliente pode, claro, pagar o montante em menos tempo; dependerá sempre da capacidade financeira que tiver, das taxas de juro e do contrato que conseguir com o banco, do valor e da avaliação do imóvel, entre outras.

Idade

Por outro lado, temos a idade máxima para o Crédito Habitação. Neste caso, os bancos costumam exigir que a idade do contratuante no termo do empréstimo seja igual ou inferior a 75 anos. Alguns bancos aceitam até aos 80 anos. Portanto, não existe realmente uma idade máxima para pedir, existe uma idade máxima até à qual se pode pagar que, dependendo dos prazos escolhidos, pode variar. 

Por exemplo, se o limite de idade for 75 anos e escolher pagar o empréstimo em 20 anos, teoricamente pode ter até 55 anos para contratar um Crédito Habitação. No entanto, se só conseguir pagar em 40 anos, convém que a sua idade não ultrapasse os 35 anos.

A idade e o prazo podem influenciar o valor?

Sim e não. A idade máxima para o Crédito Habitação não é tão relevante neste sentido. No entanto, se esta influenciar a duração do contrato de Crédito Habitação, indiretamente vai também intervir no total imputado ao consumidor. Ou seja, é preciso também avaliar outros dois pontos importantes:

Taxa de esforço

Não nos podemos esquecer de que o banco avalia a nossa taxa de esforço para nos conceder o empréstimo. Ou seja, avalia se efetivamente o valor a pagar é facilmente suportado pelo cliente, tendo em conta as condições financeiras e as outras contas e despesas. Por isso, se tivermos uma idade em que o prazo limite permitido é inferior aos 30 ou 40 anos e essa duração mais breve influenciar o aumento da prestação mensal, é possível que o crédito seja rejeitado.

Montante global

Em contrapartida, existe o reverso da moeda. Se optar por uma duração de 40 anos, o montante total imputado ao consumidor (MTIC) no final do contrato, feitas as contas, será muito mais elevado. Afinal, embora possa pagar menos mensalmente, uma vez que o valor se estende no tempo e parece diluir, acaba por aumentar no global, devido às taxas, aos juros e aos serviços. 

Assim, é importante ter esta noção global antes de pedir o empréstimo. Embora possa não haver, em definitivo, idade máxima para o Crédito Habitação, esta pode acabar por ter influência no prazo e, consequentemente, na prestação mensal e no valor total. Se tem dúvidas sobre qual seria a melhor opção para si, na Twinkloo podemos guiá-lo passo a passo e esclarecer as suas dúvidas.

LIGUEM-ME
GRÁTIS