Vender casa e comprar uma nova habitação: qual o timing certo?

Vender casa e adquirir novo imóvel: duas estratégias possíveis

Qual o tempo adequado para vender casa e comprar novo imóvel? E que estratégias podem ser implementadas para rentabilizar as mais-valias obtidas com a venda de uma habitação? A Twinkloo responde.

As regras básicas de investimento recomendam vender quando os preços estão altos e aproveitar as épocas de desvalorização do mercado para comprar a preços mais baratos. No setor do imobiliário, os últimos anos foram pautados por fortes valorizações nos preços da habitação. Essa tendência levou muitas famílias a optarem por vender a sua habitação e, com isso, encaixarem mais-valias muito interessantes. Para quem vendeu ou está a equacionar vender a casa aproveitando o bom momento que o mercado vive e precisa de adquirir um novo imóvel, deixamos duas estratégias possíveis para rentabilizar ao máximo as mais-valias da transação.

  • Comprar uma casa numa outra zona, com preços médios mais baixos

Esta foi uma das estratégias utilizadas – especialmente durante a pandemia – por muitas famílias que viviam nos centros urbanos. Aproveitando as fortes valorizações registadas nestas zonas, as famílias optaram por vender a casa no centro da cidade e comprar uma outra habitação própria e permanente numa zona da periferia, onde os preços por metro quadrado eram mais baixos. Quais as vantagens dessa troca? A possibilidade de comprar uma casa maior, com mais divisões, mais espaço exterior e maior qualidade de vida.

  • Esperar que os preços desçam para comprar um novo imóvel

Uma outra alternativa possível passa por vender a casa e esperar que os preços do imobiliário desçam para adquirir um outro imóvel, a preços mais atrativos. Esta solução faz sentido para quem não tenha urgência em adquirir uma nova habitação e possa aguardar por uma inversão do mercado. A grande dúvida está em saber quando é que os preços da habitação irão corrigir e qual a dimensão dessa correção.

Os números mais recentes do Banco de Portugal mostram que os novos montantes concedidos para o crédito à habitação estão em queda há três meses consecutivos (junho, julho e agosto), num sinal de abrandamento da procura de crédito à habitação. Seguindo a mesma tendência, a avaliação bancária também caiu em agosto e o número de avaliações bancárias diminuiu pelo terceiro mês consecutivo. Apesar destes indicadores de maior cautela e de perda de dinamismo, os preços das casas mantêm-se elevados. De acordo com o índice de preços da habitação, publicado pelo INE, no 2º trimestre de 2022, os preços na habitação aumentaram 13,2%, face ao período homólogo.

O facto de continuar a existir uma escassez de oferta de imóveis, de haver um grande interesse por parte de investidores estrangeiros no imobiliário nacional, dos custos de construção se manterem elevados e dos níveis de incumprimento permanecerem baixos são alguns fatores que levam alguns especialistas a acreditarem que os preços das casas não deverão sofrer correções profundas.

No entanto, este cenário não deve ser descartado, especialmente tendo em conta os riscos associados à elevada inflação e à subida das taxas de juro. “Uma eventual queda abrupta dos preços da habitação poderá constituir uma ameaça para a estabilidade financeira”, alertou recentemente a Caixa Geral de Depósitos, no seu relatório de Gestão e Contas, relativo ao primeiro semestre de 2022.

Uma dica: sabia que tem 36 meses para reinvestir o lucro obtido na venda da sua casa e ficar isento do pagamento de mais-valias?


Seja qual for a estratégia utilizada, conte com a Twinkloo para encontrar a solução de crédito à habitação mais adequada ao seu perfil.

LIGUEM-ME
GRÁTIS