Transferência do crédito à habitação: compensa?

Como fazer a transferência do crédito à habitação?

Fazer a transferência do crédito habitação é um processo complexo e não compensa. É verdade?

Não é bem assim. Seja por desconhecimento ou por receio da complexidade do processo, muitas famílias mantêm o empréstimo da casa no mesmo banco durante décadas. Mas, em muitos casos, a transferência do crédito habitação traduz-se numa poupança de milhares de euros no fim do empréstimo.

Num casamento existe a expectativa de que a relação dure uma vida inteira. Contudo, nem sempre a expressão “e foram felizes para sempre” se aplica. O mesmo acontece com o crédito habitação. Quando uma família escolhe um banco para fazer um empréstimo para a compra de casa sabe que será uma relação duradoura. Mas tal não significa que as famílias fiquem “amarradas” a esta relação até ao fim. Em qualquer momento, um consumidor pode fazer a transferência do crédito habitação para outro banco. Saiba como fazê-lo.

Como fazer a transferência do crédito habitação?

O primeiro passo é saber se existe um banco no mercado com uma proposta de crédito mais favorável. Pode fazer esta prospeção por sua própria iniciativa, visitando os bancos e solicitando simulações. Este caminho implica disponibilidade de tempo, paciência e conhecimento para comparar as condições que cada banco oferece.

Por exemplo, não compare apenas os spreads oferecidos. Analise aspetos como o custo total dos seguros (em particular, o crescimento do previsto do prémio do seguro de vida ao longo do contrato), bem como todas outras vendas facultativas que lhe forem propostas. Se não avaliar todas as variáveis, pode ter mais encargos com a subscrição de outros produtos.

Para o cidadão comum este processo pode parecer complexo. Há, no entanto, uma forma de simplificá-lo: recorrendo aos serviços de um intermediário financeiro que faça todo este trabalho de prospeção de mercado e encontre o banco mais vantajoso para transferir o seu crédito. Estes intermediários – como a Twinkloo – têm protocolos com diversos bancos, conseguindo negociar condições mais vantajosas (ex: isenção do pagamento dos encargos associados à transferência).

Quanto se consegue poupar?

A resposta a esta questão terá de ser analisada caso a caso. Vamos às contas, com uma situação concreta:

Família Santos: Transferência de dois créditos (Aquisição de Habitação Própria e Permanente + Obras)

Em 2011 esta família fez um crédito habitação, tendo contratado em 2016 um outro crédito para fazer obras.

  • No total, pagava 523,98 euros com as duas prestações.
  • Após a transferência, os encargos com as prestações baixaram para os 432,34 euros.

A transferência permitiu a esta família reduzir as prestações em 91,64 euros por mês, o que representa uma poupança de quase 1.100 euros ao final de um ano, tendo também obtido uma redução no prémio do seguro de vida. No final dos empréstimos, esta família terá poupado milhares de euros com esta operação.

Se quer saber quanto pode poupar com a transferência do crédito habitação, faça a sua simulação aqui.

LIGUEM-ME
GRÁTIS