Regresso às aulas sem comprometer o orçamento

Orçamento familiar: o regresso às aulas pago no resto do ano

Se, para os miúdos, o regresso às aulas é uma alegria, para os graúdos pode ser uma altura do ano crítica – e se na família houver mais do que uma criança em idade escolar, o orçamento é ainda mais prejudicado. Este ano, o preço do material escolar subiu 16,5% face ao ano anterior devido à inflação, o que obriga as famílias a fazer novas contas e a traçar estratégias para fazer-lhes face.

A resposta dos pais a estes gastos passa, muitas vezes, por contratualizar um crédito pessoal ou recorrer ao cartão de crédito, ambas soluções que colmatam rapidamente este pico de despesas. No entanto, é importante estar atento ao perigo camuflado do sobre-endividamento.

Ao optar por uma destas soluções está a estender o esforço orçamental necessário para responder aos gastos do regresso às aulas por um período de tempo mais alargado. As soluções podem trazer vantagens e desvantagens, pelo que é importante compreendê-las:

Cartão de crédito

É um contrato de crédito e um meio de pagamento através do qual uma instituição disponibiliza um determinado valor (plafond) ao consumidor. Está em constante renovação, isto é, assim que o cliente salda o valor já utilizado, o plafond é renovado e volta a ser disponibilizado. Neste caso, é possível levantar dinheiro a crédito. O valor deverá ser reembolsado à instituição de crédito na data e condições previamente estabelecidas.

Principais vantagens

  1. Renovação automática ou duração indeterminada;
  2. Taxa de juro fixa (podendo permitir um período de utilização sem que sejam pagos juros);
  3. Instituição de crédito não exige garantias ao cliente;
  4. Geralmente estão associados seguros ao cartão de crédito e que podem ser ativados sem custos para o cliente.

Principais desvantagens

  1. Taxas de juro mais altas;
  2. Juros a pagar, conforme modalidade de reembolso contratualizada e de mora, em caso de atraso no pagamento;
  3. Pagamento de comissões por levantamento de dinheiro a crédito (valor fixo por levantamento e percentagem sobre o montante levantado) e da anuidade do cartão.

Crédito pessoal

É um contrato de crédito contraído para financiar a compra de bens e serviços. Montante e modalidade de reembolso são decididos no momento em que é formalizado o contrato. Quanto aos prazos de amortização, as opções no mercado variam entre os 12 e os 84 meses. De ressaltar que, nesta categoria, há diferenças nas taxas de juro aplicáveis – por exemplo, no caso de o crédito ser pedido sem uma finalidade definida, é de até 13,3% (no quarto semestre deste ano, segundo o Banco de Portugal); já se a finalidade for a educação, a taxa de juro máxima é mais baixa (até 6,8%, como estipulado pelo BdP).

Principais vantagens

  1. Liquidez quase imediata;
  2. Taxa de crédito pode depender da finalidade do empréstimo (mais baixa no caso do financiamento de estudos ou despesas de saúde, por exemplo);
  3. Prestação constante até ao final do contrato, se optar por uma taxa de juro fixa.

Principais desvantagens

  1. Elevadas penalizações por incumprimento;
  2. Pagamento de comissões e outros encargos associados;
  3. Facilidade traz perigo do sobre-endividamento.

Em ambos os casos, comparar, avaliar e conhecer os seus direitos e deveres e as especificidades de cada solução é essencial para um regresso às aulas sem comprometer o seu orçamento familiar.

Se está indeciso sobre qual a melhor opção para um regresso às aulas mais tranquilo, fale agora com a Twinkloo. Os nossos especialistas ajudam-no a decidir qual das soluções é mais vantajosa, no seu caso.

LIGUEM-ME
GRÁTIS